T-SBUR2 Radar ADSB localizado em Uberaba alcance raio de 400 Km

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Sistema que facilita pousos em meio a nevoeiros é usado pela 1ª vez no Brasil.

Um novo modelo de navegação aérea - que facilita pousos em meio a nevoeiros e chuva forte - será usado pela primeira vez no país, a partir da próxima segunda-feira (2), no aeroporto Santos Dumont, centro do Rio de Janeiro. Segundo o ministro da Secretaria de Aviação Civil, Moreira Franco, o sistema diminui o consumo e os custos com combustíveis das companhias, além de reduzir a emissão de poluentes.
"Com isso, não há estímulo de aumento dos preços das passagens e esses valores podem até cair", disse Franco, no aeroporto Santos Dumont, na tarde desta quinta-feira.
A tecnologia de balizamento de pousos funciona como um GPS --sistema de posicionamento via satélite-- no painel da aeronave. Uma nova rota aérea foi traçada exclusivamente para as aeronaves com esse sistema, que dispensam curvas e rondas no entorno do aeródromo pela falta de visibilidade. Com o equipamento, o piloto passa a ter uma visão mais próxima da pista, o que facilita o pouso em dias chuvosos.
"Com a utilização dos satélites, é possível usar rotas mais curtas para aproximação das aeronaves, sem necessidade de curvas e estabilizações no ar. Além disso, permite uma maior aproximação do avião com a pista, mesmo em condições de chuva e nuvens. Somente em condição climática bastante adversa e rigorosa é que ocorre o fechamento do aeroporto", explicou o secretário nacional de Navegação Aérea, Juliano Noman.
O secretário destaca que essa é uma nova tecnologia disponível no mercado mundial e que já é usada em países da Europa e nos Estados Unidos. No Brasil, no entanto, apenas a Gol aderiu ao sistema e passa a utilizá-lo a partir da próxima segunda no Santos Dumont.
De acordo com Norman, as outras empresas aéreas também buscam a tecnologia, mas ainda finalizam o processo de certificação na Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). O secretario diz ainda que a tecnologia não exigiu investimento por parte do governo federal, apenas o estudo e a definição das novas rotas de aproximação e novas normas de controle e fiscalização da Anac em relação às companhias aéreas.
"As companhias arcam com custos baixos para implantar o sistema. Os gastos são apenas com um curso de capacitação dos pilotos e com a instalação do equipamento", disse Noman. Os valores não foram divulgados.
Com a visibilidade ampliada, o piloto decide com mais segurança se fará a aterrissagem a 91 metros de altura e 1,6 km de distância da cabeceira da pista. Antes eram necessários 225 metros de altura e 3,4 km do aeródromo.
O sistema utiliza o conceito da navegação de desempenho imprescindível (conhecida pela sigla RNP, em inglês). Ao longo de 2012, o Santos Dumont ficou impossibilitado de receber pousos por 46 horas. A estimativa é que com a nova ferramenta seriam apenas quatro.
Dados levantados por técnicos da SAC (Secretaria de Aviação Civil) mostram que o tempo gasto entre Congonhas (São Paulo) e Santos Dumont (Rio) passará de 44 para 36 minutos. Aviões provenientes de Guarulhos, Viracopos e Brasília terão 7, 8 e 3 minutos a menos para chegar à cidade.
O ministro informou ainda que a partir da segunda quinzena de dezembro, o aeroporto internacional Tom Jobim (Galeão), no Rio, Guarulhos, Congonhas e Campinas, em São Paulo, também utilizarão a tecnologia com novas rotas de pousos.
"Com esse sistema o piloto tem muito mais certeza da exata localização dele e da aeronave do que antes. É uma forma nova de navegação com altíssima precisão e é isso que permite que você faça o desenho de uma rota ganhando tempo e operacionalidade", diz Noman.
Mais cedo, o ministro da aviação Civil, Moreira Franco, fechou um acordo com o secretário municipal de Transportes do Rio, Carlos Roberto Osório, para iniciar intervenções no aeroporto Santos Dumont, a partir desta semana, para facilitar a chegada e saída de passageiros. A previsão é que as mudanças sejam implantadas a partir do dia 20 de dezembro.
Entre as mudanças estão a criação de um serviço especial de ônibus integrado ao metrô --estação Cinelândia, no centro, liberação de embarque de passageiros em táxis comuns, os "amarelinhos" e implantação de organizadores de filas para saída do aeroporto. Também haverá uma nova rota exclusiva para táxis com um retorno curto, que não precise passar pelo centro da cidade para pegar ou desembarcar passageiros.



Fonte Folha de São Paulo